O que é viagem astral?

viagem-astralA experiência fora do corpo é conhecida por diversos nomes tais como: Viagem Astral (termo este conhecido mais popularmente), Projeção Astral (Teosofia), Keshara (termo sânscrito utilizado pelos hindus), Desdobramento ou Emancipação da Alma (Espiritismo), Arrebatamento (termo empregado em igrejas protestantes, descrito na Biblia), Projeção da Consciência (Projeciologia), Experiência Fora do Corpo (OBE: Out-of-Body Experience, na língua inglesa – utilizados na parapsicologia), Vôo Xamânico etc. Todos estes nomes são sinônimos da mesma vivência ou experiência espiritual que por sua vez estão relacionados com a saída ou projeção de nossa consciência (ou seja, nós mesmos) para fora do corpo físico e posterior retorno com as lembranças dos fatos ou vivências experimentadas enquanto fora do ambiente físico, no plano espiritual.

Curiosa a questão de como o ser humano cria terminologias na abordagem de determinado assunto conforme as doutrinas, religiões, filosofias ou estudos científicos sobre o tema em questão de modo que para um mesmo “fenômeno” existem dezenas de forma diferentes de chamá-lo.

Na minha humilde e pacata opinião tanto faz chamarmos de viagem astral, projeção da consciência, simplesmente “projeção” ou experiência fora do corpo (abreviado em EFC na língua portuguesa), principalmente pelo fato de que não há “donos” ou inventores do fenômeno. Se pesquisarmos verificaremos que as vivências extracorpóreas são simplesmente inerentes ao próprio ser humano, inclusive com registros históricos da mesma nas mais remotas épocas. Até mesmo ocorrendo com alguns animais (principalmente nos mamíferos mais avançados) cujo princípio espiritual também se projeta dos seus corpos físicos enquanto dormem.

Todos nós saímos do corpo e na maior parte das vezes isto ocorre naturalmente enquanto dormimos, porém durante uma meditação, desmaio ou até mesmo um trauma como um acidente também pode propiciar uma saída (no caso forçada) para fora do corpo, que por sua vez poderá ou não ser lembrada no retorno ao corpo pela pessoa que a vivenciou, pelo fator de que toda lembrança naturalmente terá que passar pelo limitador de nosso sistema nervoso do corpo físico.

Quanto a questão da lembrança das experiências fora do corpo, importante dizer que há muitas pessoas que realizam viagens astrais durante o sono, porém ao acordarem seus corpos físicos não retém lembrança do ocorrido, de modo que apesar de no ponto de vista da mesma supor que nunca realizou uma viagem astral, isto não se mostra necessariamente a verdade, principalmente quando estas questões são analisadas sob uma ótica mais abrangente, com base nas realidades da espiritualidade. De fato só consideramos uma viagem astral aquelas experiências que são lembradas e aquelas lembradas de forma “turva” pelas digamos “interferências oníricas” (sonhos cerebrais) são muitas vezes denominadas “projeções semi-conscientes”, a pesar destes termos não serem muito específico, pois sempre estaremos conscientes fora do corpo, sendo que o fator que impede a rememoração é simplesmente nossa limitação cerebral e de memória.

Enfim, se for para dar um nome ao fenômeno fico com o termo “viagem astral”, pelo fato de que este é um termo mais popular que conheço e é o termo pelo qual obtive meu primeiro contato com o assunto aos 19 anos, porém também podemos empregar nomes mais modernos como, por exemplo, Projeção da Consciência (alguns sintetizam o termo para simplesmente “projeção”) ou “experiência fora do corpo”, pelo motivo que o primeiro conceituar bem o que ocorre no fenômeno que é justamente uma saída ou projeção de nossa consciência e o segundo termo dispensa maiores comentários, pelo fato de que o próprio nome já define do que se trata: uma experiência vivenciada pela pessoa enquanto a mesma (a consciência) esteja fora do corpo.

A palavra “astral”, no sentido do nosso presente estudo, é uma palavra que nos remete a astro, a questões siderais, espaciais, cósmica. Alguns astros emitem luz própria, como no caso das estrelas, e portanto nesta linha de raciocínio esta palavra nos remete a outro lugar não físico, um lugar de luz ou não material, a um lugar modernamente chamado de “extrafísico” ou conhecido a muito tempo por “espiritual”.

Desta forma, quando falamos em Viagem Astral estamos nos referindo a uma experiência que ocorre em outros planos, dimensões, em vibrações de existência que não são as físicas das quais são facilmente interpretadas pelos nossos cinco sentidos do corpo físico. Estas, por sua vez, por serem vivências tidas em outros níveis de consciências são extramente de difícil interpretação por nossa mente de vigília.

Continuando nossa dedução, quando falamos de uma viagem ao plano espiritual é óbvio que a mesma não poderá ser realizada com nosso corpo de matéria densa, mas sim com um corpo igualmente espiritual de modo que alguns preferem chamar de “corpo astral”, a pesar deste corpo sutil também ter diversas outras terminologias tais como: corpo espiritual, psicossoma, corpo fluídico, fantasma etc., conforme a doutrina ou o que quer que seja que o estude. Em uma viagem astral nós (consciências que somos) saímos do corpo utilizando de outro corpo mais sutil, vivenciamos um realidade que não é a física e ao retornarmos ao corpo de matéria física densa podemos ou não nos recordarmos do que foi vivenciado por nós enquanto em visita a nossa verdadeira “pátria”, que não está aqui no plano físico mas sim nos planos espirituais.

Muitas pessoas entendem viagem astral como sendo algo religioso, como uma prática espírita, já outros como sendo algo místico ou esotérico e outros ainda com uma visão totalmente técnica e “fria” como sendo apenas algo que valha a pena ser analisado sobre o prisma do raciocínio e auto-pesquisa. Visões a parte do mesmo fenômeno penso que o leitor deve buscar a visão que melhor o agrada. Repetindo mais uma vez, não há donos da verdade!

É claro que este assunto está no meio espírita, sendo que há um capítulo dedicado ao tema no próprio “Livros dos Espíritos” de Allan Kardek (capítulo oito – da Emancipação da Alma), assim como também há muitos místicos e esotéricos que durante séculos estudaram profundamente o assunto, mas temos que levar em conta que como já foi dito, a capacidade de sair do corpo é inerente ao próprio ser humano, independente de religião, doutrina, filosofia ou ciência que venha abordar o tema, portanto não há “donos” da viagem astral, mesmo que muitos estejam envolvidos estudando o assunto profundamente.

Espero que com estas rápidas reflexões tenha clareado um pouco o assunto e levado o leitor ao entendimento fundamental do que seja uma viagem astral ou projeção da consciência.