Relato de uma experiência tecnológica

Sempre estive em contato com a tecnologia, tanto profissionalmente como por lazer. É minha formação e especialidade, mas nunca tinha tido uma projeção ou mesmo sonho relacionado com alguma tecnologia – principalmente inovadora – até hoje.

Por entre muitos sonhos e onirismo por alguns momentos obtive certa lucidez e me encontrava num local que para mim tratava-se de algum instituto de pesquisa ou de instrução… Em determinado departamento havia muitas cadeiras e uma tela de cinema. Por lá havia muitos cômodos, mas o ambiente todo estava sempre em meia luz.

Em alguns cômodos observei uma espécie de laser, tal como aqueles que utilizamos para apontar em uma tela de projeção de Datashow. Porém neste caso logo percebi que estes lasers marcavam determinados pontos fixos nas paredes… Para minha surpresa quando aproximou uma pessoa que estava próxima de mim tive a surpresa de ver ser acender uma projeção naquele canto da parece de uma tela de computador e algo como um teclado.

Olhei para o alto e imaginei que a projeção vinha do teto, de onde tinha também a luz do laser. Ao olhar ao meu redor vi que havia várias pessoas usando deste computador que na realidade era uma avançada projeção luminosa na parede.

Fiquei confuso mas ao mesmo tempo com lucidez imaginando como funcionava este avançadíssimo sistema de interface homem máquina. Imaginei que devia haver um computador central e que a interface era projetada tal como realizamos com um Datashow nos pontos marcados pelo laser, porém era uma projeção diferente da que estamos acostumados pelo Datashow. Formava-se um enorme monitor e um teclado que a pesar de serem apenas luz eram muito prático e fácil de manipular, tal como nossos equipamentos “físicos”.

Não sei se por assistir muita ficção científica repliquei esta ideia, mas o mais interessante é que há certa lógica nos “marcadores” lasers que indicam para as pessoas os “terminais” disponíveis e que ao aproximar e provavelmente incidir o corpo sobre o laser é automaticamente ativado a projeção do computador. Nunca pensei nisto e nunca vi esta ideia em nenhum filme ou leitura minha, o que talvez reforce a hipótese da projeção astral para este caso. Também o fato de eu estar vendo o equipamento projetado e ao mesmo tempo estar pensando com lógica e coerência no funcionamento, tentando encontrar em respostas e fazer paralelo com o que conheço é para mim sinônimo de lucidez e portanto coerência, algo que não temos em sonhos.

Fato é que a tecnologia no plano espiritual esteve sempre muitas décadas a frente da nossa.

Miopia? Só no corpo…

A miopia é um distúrbio ocular no qual objetos próximos são vistos com clareza, porém os distantes não, sendo estes visualizados de forma “borrada” ou fora de foco.

Tenho miopia desde aproximadamente três anos antes de iniciarem minhas projeções involuntária. De fato, ao vivenciar o fenômeno da projeção eu já contava com pouco mais de três graus de miopia e foi nesta época de curiosamente descobri ser esta uma limitação apenas física!

Enquanto fora do corpo, de posse de outro veículo mais sutil ou extrafísico, sempre vivenciei uma visão perfeita (inclusive mais perfeita da que percebo fisicamente de posse de óculos corretivos). Segue a seguir o primeiro relato no qual registro este fato:

“(…) Após um período de inconsciência característica do sono comum ou cochilo retomei a lucidez estando eu fora do corpo! Percebi que eu estava acima de meu corpo físico, porém em uma posição um tanto esquisita: quase que de ponta cabeça… Vi nitidamente a porta de meu quarto fechada e imediatamente percebi que não tenho miopia no psicossoma (…)”

Esta projeção me fez refletir que uma pessoa deficiente visual poderá naturalmente experimentar a visão extrafísica, porém talvez para o caso de a deficiência existir desde o momento do nascimento exista então neste caso alguma dificuldade (provavelmente exigindo do projetor maior lucidez ou capacidade de recordação) para que o cérebro físico possa digamos “decodificar” estas informações sensoriais de imagem, já que o indivíduo nunca pode receber e registrar estes estímulos na memória pelas vias oculares, mas acredito firmemente que o indivíduo “cego” poderá enxergar extrafisicamente em projeção.

Continuando, pouco tempo depois registrei em outro relato:

“(…) não havia mais agora efeitos oníricos e estava caminhando e observando aquela avenida que conheço de longa data. Interessante observar mais uma vez que não tenho miopia fora do corpo e na realidade tudo é visto com cores mais vivas, de maneira que a visão aqui parece ser mais real do que quando dentro do corpo físico. (…)”

Nossas deficiências físicas – o que provavelmente inclua também nossas limitações intelectuais, emocionais etc. – não necessariamente são replicadas em nossos veículos mais sutis de manifestação ou psicossoma. Fato este que me leva a crer que até mesmo uma pessoa cadeirante ou deficiente mental poderá em projeção vivenciar outra realidade muito diferente da que se encontra fisicamente.

Experimentei em diversas ocasiões verificações semelhantes as relatadas acima, a exemplo de uma ocasião na qual obtive um rápido retorno ao corpo, abrindo os olhos em seguida e me surpreendi ao experimentar a visão extrafísica para logo em seguida a física… Drástica diferença!

Em outras ocasiões pude verificar que mesmo sendo o corpo sutil uma cópia fiel do físico e mesmo estando eu praticamente o tempo todo de óculos não faço uso de cópia alguma de meus óculos quando fora do corpo, nem mesmo por condicionamento físico.

Tratando-se ainda destas experiências visuais outro fato interessante que ocorreu comigo foi de  certa vez enquanto realizava uma prática de relaxamento e deitado de barriga para cima poder – ainda interiorizado no corpo físico – ver o teto do meu quarto, mesmo estando com os olhos físicos fechados, ou seja, via meu quarto através de minha pálpebras.

Certamente que pelo motivo de minhas energias estarem mais soltas houve uma pequena ampliação das capacidades perceptivas extra-sensoriais relacionadas com a visão de modo a permitir que eu perceba de maneira lúcida a visão extrafísica ou clarividência, que naturalmente está além das pálpebras materiais. Na realidade sabemos que nossas energias e veículos mais sutis, mesmo quando interiorizados no corpo físico se irradiam além dos limites da superfície da pele, de maneira que as percepções extra-sensoriais podem ocorrer mesmo quando nos encontramos “acordados”. Desde modo provavelmente ocorrem as clarividências, clariaudiências, psicometria e tantas outras capacidades na qual todos nós podemos vivenciar, já que pele alguma conterá nossas energias e capacidades espirituais.

Minha primeira projeção astral

img_viagem_astral-300x242Ah que saudade… Minha primeira projeção… Esta a gente nunca esquece! Pode ser uma vivência de minutos que quando não ignorada, ou seja, quando compreendida, amplia nossa compreensão sobre a vida e principalmente sobre nossa real essência espiritual. E o melhor de tudo: sob uma perspectiva prática e direta.

Era início do ano de 2000… Puxa, já se passou quase vinte anos, quando em uma noite no final de semana, por volta das vinte e três horas, me recolhi para dormir. Era uma comum e quente noite do interior de São Paulo, assim como muitas outras.

Mas antes de relatar o que vivenciei na sequencia considero importante ressaltar que na época minha principal preocupação era estudar para o vestibular, também não tinha nenhum conhecimento sobre projeção astral, porém por outro lado já havia alguns anos que brotava em mim uma grande curiosidade para com a espiritualidade e a vida após a morte. Era a única coisa que de certa maneira diferenciava de meus amigos da época. Desde dois anos antes deste dia, ou seja, quando eu tinha 17 anos, iniciei minhas leituras teosóficas, principalmente pelos livros de C.W. Leadbeater e Annie Besant. Paralelamente também lia Espiritismo, iniciando pelo Livro dos Espíritos e seguindo a partir de Nosso Lar.

A visão mínima que tinha da projeção astral (conhecida por mim como “viagem astral”) era que apenas pessoas avançadas no espiritualismo ou ocultismo poderiam praticá-la. Também imagina que apenas médiuns poderiam desenvolve-la. Um pensamento errôneo, porém comum numa época na qual mal havia internet em minha cidade.

Continuando… Para minha surpresa, diferentemente das noites anteriores sentia naquele momento certa dificuldade em “apagar” minha lucidez, ou seja, de dormir! Virava de um lado para outro e ao que parece algo me incomodava evitando que “pegasse no sono”… Havia uma certa agitação mental, se é que posso descrever assim, que estranhamente me incomodava.

Foi logo após estas observações iniciais que iniciou minha percepção do plano extrafísico, percepção esta que inclusive se mantêm até os dias atuais… Percebi de imediato um forte zumbido, um som difícil de descrever, talvez fosse como um chiado, que foi aumentando rapidamente de intensidade ao ponto de me fazer imaginar que ficaria surdo! Não sabia a origem deste som, mas como todas estas sensações eram novidades a mim fiquei a apreciá-las com curiosidade sobre o que poderia ocorrer.

Imediatamente após este som estarrecedor percebi que via tudo azul com diversos pontos de luz amarelos tais como vagalumes… Intuí de certa forma que se tratava de uma visão espiritual e não tinha explicação lógica sendo que o mais estranho era que no meu ponto de vista eu estava acordado, pelo menos no que se refere a minha lucidez, já que era a mesma de quando momentos antes fui deitar. Deduzi que talvez o som vinha destas luzinhas reluzentes que via, mas para minha surpresa agora via meu pequeno armário que localizava-se ao lado de minha cama, mas observava de um ângulo que seria impossível de onde encontrava-se meu corpo deitado, já que era uma visão de cima, a menos que estivesse flutuando a um metro acima do chão.

Então é a partir daqui que a falta de conhecimento causa o pânico, pois logo me certifiquei que não conseguia me mover – era a catalepsia projetiva, desconhecida por mim na época. Foram segundos que pareciam horas, tentava acordar, gritar, me mover e nada… Pensei: “morri?!”. Então respirei fundo, contei até três, acalmei minha mente e pensei em acordar, foi fazer isto e acordei imediatamente. O coração acelerado, adrenalina no corpo e com uma boa oração para que isto nunca mais ocorresse comigo (risos…).

Bom, depois de dezenas de vezes vivenciando este mesmo “processo” acabei por me acostumar com a experiência, o que me abriu as percepções para uma das mais incríveis realidades da espiritualidade: a possibilidade de a partir deste dia vivenciar as experiências fora do corpo!

Desde o início tive a boa ideia de criar um “diário projetivo” e lá tenho registrado mais de 100 vivências fora do corpo, o que prova de imediato que não é necessário ser médium, pesquisador ou ocultista para vivenciá-las, basta apenas libertar nossas travas mentais e desejar com sinceridade conhecer os bastidores da vida.

Por Alexei Bueno, em janeiro de 2019

Projeção em conjunto com posterior confirmação

Mirassol, 01 de março de 2003. Cai no sono fazendo a afirmação: “agora estarei em estado extracorpóreo!!” à exemplo de uma técnica de projeção que li recentemente. Numa adaptação para personalizar a técnica realizei também concentrando em meu chackra frontal, de modo como se eu falasse por este chackra… Rapidamente fui caindo no sono.

Sem que eu percebesse agora me vi com mais 2 pessoas em estado totalmente consciente num plano extrafísico, porém não conseguia ver ou memorizar a fisionomia destas pessoas que se encontravam próximas a mim.

Agora eu podia voar com uma incrível sensação de liberdade e ficava a dar piruetas em pleno ar!

Quanto ao lugar que estava havia casas simples, separadas por muros, e também pequenos prédios, certamente me encontrava em alguma pequena cidade astral.

Em determinado momento estive com uma menina adolescente de aproximadamente 15 anos de idade. Observei que ela tinha cicatrizes em seu corpo astral, então perguntei o por que daquilo e ela me disse que seu pai batia muito nela e acabou machucando seu corpo… Neste momento fui invadido por muita raiva do pai dela ao perceber por intuição que esta menina desencarnou pelo fato de ser espancada pelo pai… Me recompus e disse algo relacionado à lei do karma, comentando que o pai dela iria se arrepender e consequentemente teria o retorno da má ação que infligiu em sua própria filha.

Essa menina tinha cabelos castanhos lisos na altura dos ombros e devia ter algo como 1,60m de altura, pois dava para perceber que como sou mais alto, ela olhava para cima para conversar comigo.

Quanto a consciência que ficava próxima a mim percebi que era feminina e que era alguém com um forte laço familiar. Provavelmente participamos de certa forma desta atividade de assistência.

Acordei antes do horário programado, eram 5h30 da madrugada. Ao acordar veio uma grande carga positivamente emotiva, que traduzo como sendo uma alegria por ter vivenciado esta assistência extrafísica. Peguei uma folha de papel e fiz esta anotação para não esquecer.

* Normalmente relato minhas projeções para minha mãe e agora pela manhã obtive a grande surpresa do dia (e provavelmente a maior surpresa de todas minhas projeções): uma das pessoas que estavam junto a mim nesta projeção era minha própria mãe que veio a confirmar todo o relato aqui descrito e para minha surpresa o complementou com trechos de que não me recordei.

Minha mãe viu um desenho da região extrafísica que fiz pela manhã e reconheceu o local, as casas (e principalmente o encontro com a moça desencarnada).

Para mim esta foi uma das maiores comprovações do fenômeno da projeção consciente.  Estou feliz por ter realizado juntamente com minha mãe! Provavelmente na ocasião da assistência não me foi permitido reconhecer minha mãe para não prejudicar os trabalhos que lá desenvolvíamos ou não a reconheci por falha de minha própria memória, porém pude percebe-la no aspecto energético de sua presença naquele momento. Já minha mãe pode me reconhecer imediatamente após a assistência enquanto voávamos pela região, acima das casas, trecho este que não pude me recordar.

Uma assistência no umbral (dimensão densa)

umbralMirassol, 22 de maio de 2017. Na experiência projetiva de hoje obtive diversos níveis de lucidez durante o decorrer da projeção, porém certamente em alguns momentos recordo de estar até provavelmente 90% lúcido, reconhecendo naturalmente inclusive o fato de estar projetado naquele momento.

Quando deitei para dormir decidi não assistir nenhum filme no Netflix. Fiz por alguns momentos uma rápida sessão de EV (estado vibracional) e desejei estar lúcido extrafísicamente, porém sem nenhuma pretensão, principalmente pelo fato de já transcorrerem diversos meses dos quais não obtenho uma vivência projetiva.

Logo após um curto período de inconsciência retomei a lucidez estando em uma espécie de fazenda, rancho ou sítio. Era noite, provavelmente alta madrugada e eu realizava alguma atividade por lá que exigia alguma concentração e empenho. Com relação a meu estado emocional, sentia uma preocupação ou ansiedade, porém ainda sem lucidez necessária para identificar do que se tratava.

Em determinado momento de maior lucidez um grupo de amigos me apresentaram um sistema computacional que respondia a comandos vocálicos. Este dispositivo estava instalado em determinado setor desta fazenda para realizar algum procedimento no trabalho que lá era desempenhado. Pude escutar o aparelho responder a perguntas de modo muito mais avançado que nossos “assistentes” existentes em celulares tais como a “siri”. Foi-me informado que foi necessário a interação de diversos países (ou técnicos de diversos países) para desenvolver tal aparato eletrônico.

Em outro momento de lucidez me encontrava sozinho em um lado mais deserto da propriedade rural e como de costume olhei para o céu estrelado. Curiosamente pude observar uma quantidade imensa de estrelas, porém todas situadas a grandes distância, tinha a impressão que o céu não estava translúcido, impedindo que a luz das estrelas brilhassem com facilidade.

A pesar da fragmentação de minha lucidez retornava em diversos momentos e em outra ocasião pude perceber que eu podia volitar alguns metros do chão, porém com certa dificuldade. Verifiquei que atravessar regiões “solidas” do ambiente no qual me encontrava tais como porteiras, paredes, cercas era também possível para mim. Após voar e atravessar tais objetos não tinha dúvida que estava projetado neste momento e foquei minha atenção e calma na questão de evitar um retorno não esperado ao corpo.

Penso que me encontrava em alguma região densa da espiritualidade, pois encontrei algumas pessoas dentro de um grande caixote de madeira. Uma das pessoas era um senhor moreno de meia idade, que estava sem camisa e havia passado por alguma cirurgia cardíaca, pois o mesmo me mostrou uma grande cicatriz no peito, que na realidade achei estranha, pois era muito grande ao ponto de eu pensar nos procedimentos de autópsia, tendo dúvidas se esta pessoa era encarnada ou não. Pela situação estranha que me situava estendi minhas mãos e projetei energia no objetivo de proteção minha e ao mesmo tempo de auxílio. Realizei o mesmo também em uma criança com roupas muito simples, talvez sujas.

Aproveitando a ocasião perguntei a ela se ela se estava gostando das energias ao que respondeu positivamente. Foi à maneira que encontrei de saber se minha ação estava “funcionando”. Na sequência o senhor pediu para tomar um “passe”, ao que realizei por vários minutos. Não entendi o motivo destas pessoas estarem algo como presas neste grande caixote de madeira e achei a situação bem estranha, porém me mantive firme e não tive medo em momento algum.

Em outro momento estava em outro departamento da fazenda onde existia uma barragem com água. Imaginei que fosse para os animais beberem. Estava totalmente escuro o ambiente, na realidade até mesmo sombrio. Existia uma espécie de pequenas boias que ficavam em torno da barragem. Peguei uma e havia alguns escritos. Imaginei que seriam dados do fabricante e me esforcei para memoriza-los para de alguma forma trazer uma “prova” de minha experiência, porém foi em vão, quanto mais me esforçava em memorizar mais difícil era compreender os escritos.

Em um dos momentos finais de minha projeção sai pela frente desta propriedade rural e visualizei uma grande avenida onde vi que havia centenas de carros, porém o ambiente estava tão escuro que era possível observar apenas as luzes dos faróis. Havia carros nos dois sentidos, indo e vindo. A pesar das luzes dos carros era como se eu estivesse em um local de trevas total. Estranhamente a sensação de trevas é mais do que o escuro, sendo percebida por mim algo quase como “gelatinoso”. Havia sempre um clima sombrio a pesar de minha segurança íntima.

Acordei normalmente e de maneira automática a exatamente um minuto antes do despertador. Meu sentimento e impressões ao acordar foram de ter vivenciado uma experiência real, ou seja, aquela costumeira sensação de realidade, porém pelo teor da mesma não existia um contentamento interno a pesar de neste momento estar contente em ter provavelmente realizado uma tarefa de assistência extrafísica.

 

Visitas a diversos ambientes extrafísicos

Mirassol, 25 de agosto de 2016.

curso-sauloDiria que as lembranças de minhas andanças espirituais de hoje não foram conscientemente induzidas, mas certamente tiveram a lucidez positivamente incentivada através de um ótimo curso sobre projeção da consciência desenvolvido pelo amigo Saulo Calderon [https://www.youtube.com/playlist?list=PL4i5CG-o3OoGrwn6h8THrmS5BRf5tfAku]. Curso este excelente e de ótima didática! Recomendo a todos os interessados a assistirem e deixo aqui meu agradecimento pessoal pelo fato de que graças ao mesmo pude melhorar minha lucidez ao ponto de poder recordar-me desta experiência que irei relatar a seguir.

Após assistir o Capítulo 3 do referido curso, já estando na cama, fechei o Tablet e virei para o lado, desejando dormir. Não tinha exatamente a pretensão de realizar uma projeção lúcida, mas o assunto estava pipocando em minha mente, mesmo que cansada após um longo dia de trabalho.

museu_ABC_aranguren_gallegos_arquitectos (6)Quando retomei a lucidez lembro-me de estar em algum ambiente fechado no plano espiritual, pensei ser algo como uma bonita recepção de um hotel, mas sentia também como sendo algo semelhante a um imenso galpão onde havia pessoas residindo, pois reparei que havia quartos, com possivelmente camas e guarda-roupas.

O ambiente era enorme e eu estava lá como visitante ou observador. Após algum tempo inesperadamente e de forma instantânea o ambiente mudou totalmente e eu me encontrava agora em outro recinto que também era um ambiente fechado, mas diferentemente do anterior observei que havia muitas mudanças: as paredes eram belas, com uma luminosidade esverdeada como nunca vi no plano físico, também surgiu belas esculturas artísticas, quadros nas paredes etc.

Havia pessoas de diversos países, pois não conseguia me comunicar com algumas, não sei se por alguma dificuldade de sintonia, porém com outras entendia perfeitamente e ficávamos felizes ao nos entender. Pena que não pude me recordar do que conversávamos apenas lembro-me de minha surpresa quando exclamava algo como “… Puxa que legal! Você está me entendendo!…”.

Resultado de imagem para chafariz ledApós outro lapso igualmente instantâneo me encontrava novamente em outro ambiente, que de forma semelhante era amplo e fechado, porém igualmente ou mais bonito do anterior! Observava uma fonte ou chafariz de água, quadros bonitos, certamente um local de raro requinte, caminhava por todos os lados, olhando as pessoas, o ambiente, as obras de arte etc.

Por algum fenômeno que desconheço de tempos em tempos minha consciência trocava de ambiente sem que houvesse uma repetição, sendo que cada novo lugar era mais bonito que o anterior, exibindo sempre uma característica específica, seja na cor das paredes, nas obras de arte, na arquitetura, etc.

Provavelmente passei por ambiente das mais diversas cores, tais como verde, vermelha, marrom, porém todas as cores eram belas, muito vívidas e positivamente diferentes das cores que observamos por aqui de modo que é difícil descrevê-las.

Após passar por no mínimo cinco ambientes diferentes de maneira lúcida Resultado de imagem para museu modernoraciocinei que seria impossível meu cérebro (do corpo físico) memorizar tamanha beleza de cores e formas em tão numerosos lugares e senti pena pela realidade de que grande parte desta vivencia se perderia ao meu retorno para o limitado corpo físico.

Após este último pensamento, relacionado ao meu corpo físico, retornei imediatamente, já no horário habitual de acordar. Felizmente com a lembrança vívida, mesmo que ainda pequena em comparação com o que vivenciei enquanto lúcido do lado de lá.

Analisando agora minha própria experiência, enquanto anoto em meu diário, penso que provavelmente visitei alguma colônia extrafísica ou cidade espiritual, que era organizada algo como que de forma “setorizada” em diversos ambientes, que talvez atendessem ao gosto das pessoas que lá moravam.

Conversa com mentor espiritual (Preto Velho)

Preto_Velho_SiteEra o dia 26 de abril de 2009. Estava com um questionamento pessoal muito grande antes de dormir e então pedi a Deus a lucidez necessária para que eu tome a decisão e use as palavras certas para resolvê-lo e dormi normalmente, porém com períodos onde acordava pelo motivo da preocupação excessiva em que me encontrava na época para resolver as questões que me afligia…

Horas depois, já fora do corpo, sentia que estava me deslocando a uma velocidade muito grande, voando em uma espécie de corredor ou túnel no qual fazia curva para as mais diversas direções! Neste momento pensei em me manter calmo para não prejudicar esta vivência e após várias curvas, já no final do túnel, apareceu uma espécie de janela redonda ou círculo e inesperadamente dentro do mesmo surgiu uma figura de apenas a cabeça de uma pessoa sorrindo.

Esta pessoa era um negro, aparentava ter aproximadamente 30 anos, tinha uma barba rente a pele, rosto um pouco magro e os cabelos um pouco grandes mas eram enrolados. Estava sempre sorrindo e seus dentes eram extremamente brancos a ponto de irradiar uma luz de grande paz em seu sorriso.

Como estava lúcido neste momento logo perguntei quem era, porém ele ficou apenas com o sorriso no rosto sem responder… Então eu parado ali, bem na frente, fui raciocinando a respeito de quem poderia estar me acontecendo e cheguei rapidamente na conclusão de que estava conversando com o Preto Velho que minha mãe e minha avó recebiam no passado e desta vez reformulei minha pergunta, dizendo:

– Você é o “Pai Sabino” que minha mãe recebia?

Então o homem carinhosamente segurou meu queixo e continuou apenas com um sorriso e transparecia muita felicidade, talvez pelo fato de eu ter lembrado quem ele era.

Comentei sobre o pedido que fiz antes de dormir, ao qual me disse sua opinião a respeito de meu conflito pessoal da época e felizmente pude após retornar ao corpo lembrar do teor do conselho e do auxílio que ali recebia.

Aproveitando da oportunidade de estar frente a frente com meu amparador, perguntei a ele qual seria sua opinião a respeito de minhas projeções ao que após abrir um sorriso retornou a pergunta para mim respondendo “O importante é o que você está achando… O que você está achando?”.

Comentei que estava adorando e relatei minha projeção do dia anterior, me esforçando para lembrar os detalhes e após contá-la ele respondeu curiosamente que “ficou sabendo” desta minha recente experiência. Neste momento fiquei imaginando a ligação que existiria por traz disto tudo e sempre muito curioso comentei que deveria aproveitar esta oportunidade para esclarecer muitas coisas, mas entendo que obviamente estaria eu sairia do foco de meu motivo de estar lá naquele momento e certamente que se prolongasse muito esta vivência não iria lembrar de muita coisa ao retornar para meu corpo físico posteriormente. Portanto de maneira repentina ele não se encontrava naquele círculo ou janela que havia se formado, ficando vazio aquele ambiente.

Por fim concluir que meu amparador ou mentor espiritual havia ido embora, e eu o agradeci pela experiência e imediatamente acordei no corpo físico que encontrava-se na posição de decúbito dorsal (barriga para cima) percebendo a dificuldade em transferir estas memórias para o denso cérebro físico. O que levou alguns segundos, mas que após assimilar a experiência fiquei positivamente emocionado.

Sendo auxiliado extrafisicamente por um “técnico em viagem astral”

espiritualidadeDia 25/06/2009. Que surpresa quando me dei por mim após o sono físico estar lúcido e voando em meu quarto, porém infelizmente após alguns momentos minha visão ficou escura, famosa projeção “as cegas”. Eu batia com a mão no meu frontal dizendo “abre, enxerga…” mas nada de enxergar.

Depois de algum período já podia ver novamente mas desta vez já me encontrava adentrando em um local amplo, uma construção em forma de prédios tal como uma faculdade ou universidade… Provavelmente já no plano espiritual.

Depois de um lapso de tempo me encontrei em uma mesa redonda, juntamente com algumas pessoa e então para minha surpresa disse “…preciso de um técnico em viagem astral…”. Naturalmente que enquanto faço este registro não sei em que sentido e motivo cheguei a esta fala, e o que poderia ser este “profissional”, mas de modo interessante uma das pessoas que se encontravam na referida mesa sorriu dizendo “acho que pode ser eu mesmo… qual o problema?”. Expliquei minha dificuldade com o frontal (relacionada com a “projeção cega”) e após alguns momentos estava novamente próximo ao meu corpo físico, mas me encontrava na conhecida catalepsia projetiva, paralizado extrafísicamente enquanto meu corpo físico encontrava-se de barriga para cima a poucos centímetros abaixo.

Para minha surpresa vi pela clarividência um homem (consciência ou espírito) inclinado acima de mim e com uma espécie de toalhinha ou lenço nas mãos. Curiosamente esta pessoa estava algo como “limpando” meus chackras (cardíaco e laríngeo). Claro que certamente envolvia esta uma limpeza energética, certamente recebia neste momento um auxílio.

Fiquei com medo enquanto observava este homem que tinha o cabelo todo penteado para traz, aparentando meia idade e encontrava-se bem concentrado em seu trabalho sem olhar para mim.

Curiosamente sentia de forma bem lúcida o “atrito” energético provocado pela provável limpeza em meu corpo energético (energossoma ou duplo-etérico) que se encontrava na superfície do meu inerte corpo físico.

Sem saber o que fazer em uma situação inusitada como esta e nunca vivenciada anteriormente após alguns instantes forcei um retorno antecipado ao meu corpo físico e era ainda de madrugada.

Uma projeção com uma amiga também projetada

cidade-submersa            Mirassol, 04 de dezembro de 2011, 7h00 da manhã.

Estava projetado voando pelas ruas de alguma cidade quando pude encontrar uma mulher que se encontrava sentada na frente de sua casa. Creio que estava também projetada e senti por meio da intuição que compartilhava com ela algum conhecimento e esclarecimento no campo espiritual. Chegando próximo a ela percebi que era uma mulher um pouco acima do peso e então ao conversar pude saber que esta pessoa passava por algum problema de saúde que inclusive considero algo sério, segundo a impressão que obtive em sentir uma energia muito negativa sendo emanada enquanto a ouvia atentamente.

Faço um parênteses agora para registrar o fato de como somos muito mais sensíveis fora do corpo, pois percebemos tudo de uma maneira muito ampla e instantânea.

Perguntei para ela se desejava fazer uma viagem astral comigo, pois de alguma forma eu provavelmente já a conhecia. Ela então olhou para mim dizendo “vamos viajar então”. Saímos andando e então eu segurei o braço dela para curiosamente mantermos alguma espécie de um vínculo mental de modo que praticamente nos “teleportamos” exatamente juntos, reação resta em que senti um deslocamento espiritual em alta velocidade.

Neste momento fiquei com medo, pois não sabia exatamente o que iria acontecer ou onde estávamos indo. Quanto ao ambiente observei que estávamos em uma velocidade tão grande que não dava para observar detalhes. Após alguns momentos praticamente nos “materializamos” em uma localidade totalmente diferente de onde estávamos, sendo uma espécie de cidade no formato circular e diferente de tudo que já vi.

Não tenho palavras para descrever o lugar, pois não há muita base de comparação ou que me facilite a memória, como não há muita referências para poder me apoiar a linguagem fica difícil para lembrar e muito mais ainda para descrever. Mas lembro que havia muitas construções em forma circular, em uma arquitetura desconhecida da terra. Aparentemente estávamos sozinhos no lugar, ambos parados e extasiados com a beleza ou estranheza do local, um ao lado do outro. Fui virando o rosto lentamente e olhei para ela dizendo ou exprimindo o pensamento similar a: “o que diabos é este lugar?”.

Voávamos por entre umas coisas coloridas, então apontei para um de cor roxa e perguntei a ela:

– Que cor é esta?

Sem entender o que eu estava fazendo ela respondeu: “roxa, por que?”.

Disse, revelando minha intenção: “estou fazendo um teste para verificar se a gente está na mesma realidade e também se realmente estou projetado com você”.

Entramos em um daqueles prédios que eram lugares não de andares, mas muito amplo. Falei para minha amiga que parecia algo como o interior de alguma espécie de igreja. O chão era de madeira, e o lugar lembrava algo rústico, provavelmente no estilo antigo.

Agora via muitas pessoas, alguma das quais andando em fila e após chegar do outro lado deste imenso “galpão” saímos em uma espécie de para-peito do prédio e olhando observamos algo incrível: havia do outro lado uma espécie de cidade submersa em água.

Após um lapso de memória e ainda andando por lá comentei para minha companheira de viagem astral que já estava para voltar para meu corpo e que não sabia se iria lembrar tudo o que estávamos vivenciando, pois minha memória é muito ruim… Momentos após dizer isto retornei ao corpo físico.

Ao acordar observei que houve alguma dilatação temporal, ou seja, o tempo que passei por lá foi muito maior do que o que passou no plano físico.

95º Experiência – Assistência extrafísica

passeHoje é 05 de abril de 2012, época de provas na escola e esta é uma semana estressante tanto para o aluno como para o professor. Deitei para dormir por volta das 11:30, estava mentalmente cansado e nem pensava em temáticas espiritualista ou em viagem astral. Queria mesmo é descansar o corpo e a mente.

Para minha surpresa após alguns momentos despertei-me extrafisicamente e vi que estava voando por uma cidade! Logo meu objetivo era apenas identificar a cidade que me encontrava de forma que fosse possível talvez quem sabe comprovar exta experiência fora do corpo.

Perguntava a todos que encontrava em meu caminho pelas ruas e avenidas desta cidade qual seria o nome ou lugar que me encontrava. Apesar de algumas pessoas não me responder alguém me disse um nome composto por mais de uma palavra. Intui que seria talvez cidade próxima onde resido, mas não conseguia memorizar.

Era de madrugada, estava ainda de noite, mas o dia estava para amanhecer. Eu flutuava de alguns metros do chão a até a altura de mais ou menos 15 metros, acima dos telhados das casas quando em determinado momento encontrei um morador de rua deitado na calçada em uma rua bem escura. Naquele momento senti um grande sentimento de compaixão e desejei tentar ajudá-lo de alguma. Logo pensei que certamente prestar meu auxílio naquele momento era mais importante do que identificar onde me encontrava.

Curiosamente obtive instantaneamente a ideia de transmitir energias ou aplicar um passe, mesmo ficando meio sem jeito de como proceder. Impus minhas mãos na direção daquela pessoa e para minha surpresa comecei a “sentir” um som algo como o “estado vibracional” (tum, tum, tum …) este som tinha uma frequência pré-determinada (parecia um motor em baixa rotação) e vibrava nas palmas de minhas mãos, porém podia ser sentida em meu corpo espiritual todo, mas o ponto focal da vibração ou energia era os chackras da palma da mão, que funcionavam como dois motores a emanar energias espirituais.

Após alguns momentos, para minha surpresa, acenderam duas luzes nas palmas de minha mão e percebi como luzes florescentes branca a iluminar o escuro ambiente que me encontrava. Virei minhas palmas das mãos em minha direção e fiquei maravilhado com aquele fenômeno. Em seguida aproximei-as uma da outra e senti claramente algo como um campo eletromagnético que as repelias. Finalmente posicionei então novamente as mãos em direção ao corpo do morador de rua e fiquei transmitindo esta luz para ele. Neste momento algo superior, não sei se uma consciência ou uma energia inteligente de modo que percebi que algo se conectou a mim e comecei a exercer minha função de ajudante astral, indo a quem necessitava de ajuda, ou melhor, prestava assistência extrafísica a quem precisasse.

Surgi instantaneamente dentro de uma casa e na minha frente tinha um senhor que intuir ser cego e percebi que estava dormindo. Sei que era cego pelo fato que de alguma forma vi em minha tela mental seus dois olhos totalmente brancos, então comecei a aplicar a luz (energia) que saia de minhas mãos para os olhos daquele senhor. Após alguns segundos, para minha surpresa, sua esposa que se encontrava projetava assim como eu veio falar comigo, dizia ela:

– Pelo amor de Deus ajude meu marido, ele ficou cego, por favor, cure ele!

Eu disse que faria o possível e que estava passando energia para os olhos dele. Após alguns instantes deste “passe” surgi instantaneamente na casa de uma senhora de idade avançada. A casa era um sobrado e ela encontrava-se dormindo no andar de cima. Fui voando pela janela, guiado por esta força invisível que se conectara a mim.

Comecei aplicar aquela energia em favor a esta senhora e neste caso ela podia me ver e falar comigo. Então ela disse que iria morrer e perguntou se eu era alguém que estava buscando ela, pois um “anjo” já tinha falado com ela. Enquanto passava energia fiquei curioso sobre o “anjo” dito por ela, mas disse que eu estava lá só para ajudar e que eu não era nenhum ser “do além”.

Curiosamente em seguida “materializei-me” na entrada de um escritório e neste caso todos estavam acordados e trabalhando, pois ninguém percebeu minha presença no ambiente. É engraçado, pois me senti como um fantasma, assim como no filme “Ghost”. Mesmo sabendo que estava espiritualmente projetado no ambiente, pedi licença para entrar e fiz uma rápida mentalização em favor a todos. Mesmo não tendo muito jeito, disse algo como “que eu seja útil neste ambiente e ajude também estas pessoas”.

Próximo a entrada vi uma moça trabalhando no computador, então movi por traz de sua cabeça e transmiti também esta a energia para ela, inclusive esta energia nunca cessava de ser transmitida através de mim. Após alguns instantes chegou outra moça, que senti estar carregada com energias sexuais. Senti uma repulsão natural e fiquei observando. Ela então começou a contar sobre suas andanças e aventuras noturnas (neste momento já tinha amanhecido o dia), mostrando inclusive fotos no celular. Fui para outra sala e encontrei uma pessoa trabalhando em uma mesa, mas sem computador, apensa mexendo com papéis. Apliquei energia em sua direção por alguns momentos.

Sentia neste momento que iria acordar e queria muito memorizar o nome da cidade. Conseguia perfeitamente lembrar as avenidas, ruas, casas, tipicamente uma cidade pequena do interior, mas o nome me escapava da memória como se fosse uma informação que eu não deveria reter.

Acordei por volta das 7h, sentindo ainda por uns dois segundo uma energia em meu corpo todo, como um campo de força! Em seguida senti um rápido arrepio e tudo voltou ao normal.

Para não esquecer qualquer detalhe desta vivência, peguei rapidamente uma folha e comecei a escrever minha projeção que rapidamente estava sendo “deletada” pelo cérebro físico, porém a sensação de realidade das experiência relatadas aqui se mantinha fortemente gravada em minhas sensações.

Comentário: o auxílio extrafísico

         Certamente que um dos principais objetivos da viagem astral, ao meu ver, é o auxílio extrafísico!

         Normalmente Amparadores são muito sutis e com suas energias não conseguem interagir e auxiliar diretamente quem necessita, de modo que nós projetores temos um papel muito importante no processo, pois somos os intermediários.

         Através de nossas densas energias um Amparador, que é alguém normalmente sem corpo físico que auxilia no invisível e maneira anônima quem necessite, acopla-se conosco para poder desta forma efetivamente acessar e auxiliar quem necessita de auxílio energético ou por que não, auxílio espiritual.

         Digo que portamos energias densas não no sentido negativo, mas sim no sentido de que como estamos “conectados” a um corpo etérico e físico, naturalmente que estaremos de posse de energias mais densas e próximas a física que estarão na mesma frequência de planos mais densos do astral ou de pessoas também encarnadas ou que estejam nesta mesma faixa de frequência.

         O planeta Terra é um planeta hospital onde muitos necessitam de auxílio, sejam por estar em situações complicadas após o desencarne ou passando por dificuldades que são comuns a nossa existência.

         Auxiliar no astral nos torna pessoas mais lúcidas, tanto fisicamente quanto extrafísicamente e o contato com consciências mais avançadas que nós só nos auxilia beneficamente de modo que somos impulsionados realizar nossas tarefas diárias de forma sempre positiva, com boas intuições, ações e energias!

         Na Internet vejo muitos jovens buscando a viagem astral não para crescer, mas sim como turismo. Gostaria que pensassem mais a respeito desta verdadeira ferramenta evolutiva e que saibam que certamente ninguém evolui sozinho e sem auxílio, pois caso contrário não estaríamos aqui todos em um mesmo planeta todos necessitamos uns dos outros para que possamos viver e aprender todos juntos. Se nossa meta é crescer e evoluir espiritualmente e em outras áreas esta evolução é feita em conjunto e passa também pela assistência, que pode e deve ser realizada por diversas maneiras.