Lucidez e rememoração

Segundo o pesquisador Cesar de Souza Machado, a lucidez é a qualidade ou estado de estar lúcido, é a clareza de inteligência, a perspicácia, a acuidade, o funcionamento normal das faculdades mentais. Quando lúcidos, nosso pensamento é claro, conciso e preciso.

Uma pessoa alcoolizada, para citar um exemplo, não está de posse de sua lucidez total ou no mínimo tem sua lucidez alterada negativamente já que sua percepção e sensibilidades biológicas estão quimicamente alteradas de forma prejudicial.

Por outro lado, mesmo sem a alteração artificial da lucidez todos temos variação no grau de nossa lucidez a depender de fases da vida e idade física.

Nosso nível de lucidez pode ser também ampliado quando em uma meditação profunda ou até mesmo em uma experiência de expansão da consciência (experiência esta inclusive proporcionadas por determinados tipos de projeção astral).

Podemos considerar, portanto, dois tipos de lucidez: a física e a extrafísica. No segundo tipo há a diferença de que não estamos utilizando de um cérebro material como “lente” ou filtro das percepções obtidas pelo corpo.

Podemos por motivos diversos nos projetarmos – durante o sono, por exemplo – e não gozarmos da lucidez necessária para percebermos nossa condição extrafísica e então ficamos inconscientes do fato de que estamos temporariamente desligados do corpo. Esta falta de lucidez nos causa uma espécie de coma de modo que ficamos inconsciente durante 8 horas ou mais das quais estivemos fora do corpo em função do descanso do corpo físico, lembrando que quem precisa descansar é o corpo não a consciência encarnada.

Realizo o vínculo entre a lucidez e rememoração pensando na teoria de que não lembrar das projeções astrais não necessariamente significa dizer que você não esteja lúcido fora do corpo. Penso que podemos até mesmo estar desfrutando de uma vida extrafísica relativamente ativa, porém ao acordar todas as manhãs não é comum rememorar uma vivência obtive em ambientes extradimensionais para os quais nosso cérebro não foi projetado para interpretar ou pelo menos na maioria dos casos não foi originalmente “treinado”.

A memória é a capacidade de adquirir, armazenar e recuperar informações, assim como um computador. Se não tivéssemos memória a cada vez que acordarmos de manhã seria como se nossa vida iniciasse recursivamente a partir deste ponto.

Temos uma memória cerebral física e uma memória extrafísica e ainda é um mistério para a ciência onde fica armazenada nossa memória, porém sabemos que não se restringe ao cérebro físico.

Nossas experiências extrafísicas são registradas no cérebro espiritual (do corpo espiritual) do projetor e quando retornamos ao corpo físico, os cérebros se “unem”, cada um em sua respectiva frequência e as informações precisam ser transferidas para o cérebro físico para que a pessoa ao “acordar” possa saber que ocorreu uma projeção astral.

No momento da transferência de informações ocorre uma “estrangulação” das lembranças ou perdas de informações que podem ser parciais e, não raro, totais, resultando assim em nenhuma rememoração.

Segundo Wagner Borges, quando o projetor retorna da projeção consciente para seu corpo físico, ocorre uma verdadeira batalha mental, pois o cérebro, dentro de seu condicionamento tridimensional, rejeita as informações extrafísicas que a consciência trouxe consigo. Com isso, em frações de segundo, a consciência projeta alguns sonhos, misturando-os às informações extrafísicas, aparentemente sem lógica, objetivando o sepultamento delas no fundo de seu arquivo mnemônico.

Por fim, segundo Cesar de Souza Machado, é importante frisar que nenhuma experiência vivida se perde para a consciência. Elas ficam registradas nos cérebros espirituais e podem ser recuperadas futuramente, quando isso for importante.

Técnica projetiva do relaxamento

Introdução

No início de minhas primeiras projeções involuntárias eu desejava comprová-las para mim mesmo de maneira a ter uma verificação própria do fenômeno.

Particularmente a melhor técnica na qual pude repetir por diversas vezes com sucesso a projeção astral foi a técnica do relaxamento. Trata-se, porém, de um relaxamento guiado mentalmente pelo próprio praticante, juntamente com uma boa dose de força de vontade e empenho para manter a lucidez e não se entregar ao sono ou ao onirismo.

Esta é uma prática fácil e serve como base para diversos outros experimentos mais avançados, já que a base de toda prática parapsíquica está no desligamento temporário e voluntário de nossos sentidos físicos de maneira a aplicarmos nossa consciência em outros níveis de vibrações. Todo relaxamento faz com que o cérebro emita ondas alfas.

É uma espécie de “cochilo” consciente. A todo momento você tem de se esforçar para manter a concentração e não deixar sua lucidez se “apagar”.

Dicas preliminares:

Para melhor aproveitamento é interessante se possível seguir uma rotina diária, exceto naturalmente nos dias em que você estiver com sono ou muito cansado, já que nestes casos não haverá a concentração necessária para executá-los. (Uma rotina auxilia a “criar sinapses” e determinado condicionamento físico/espiritual).

Procure um local onde você possa permanecer isolado por alguns momentos.

Pratique num momento de calma, em ambiente de paz, com atenção e sem preocupação com o tempo. Particularmente prefiro reservar meia hora antes de “dormir”, principalmente levando em conta que já continuarei deitado na cama pelo restante da noite.

É interessante você manter um diário de anotações para registrar certas sensações e efeitos físicos e psíquicos que venham acontecer e desta maneira permitir você traçar um desenvolvimento em suas práticas. (praticar as técnicas projetivas também é uma maneira de realizarmos auto-pesquisa)

E não menos importante:

Nunca permita que o desânimo (ou mesmo preguiça) lhe tire a motivação

O desenvolvimento parapsíquico varia de pessoa para pessoa, por isso, não tente se espelhar nos resultados alheios.

Vamos para a técnica:

Deite-se ou sente-se numa cadeira confortável, fechando tranquilamente as pálpebras. Caso você não esteja muito cansado mentalmente ou fisicamente a ponto de dormir ou perder a concentração durante a técnica deite-se em sua cama.

Sinta seus pés e peça mentalmente a eles que relaxem, soltando ao mesmo tempo toda a musculação e tensão que por ventura esteja nesta região.

Faça o mesmo comando mental para suas pernas, tronco, costas, membros superiores (braços, mãos…), músculos faciais, couro cabeludo, tudo com calma e ao mesmo tempo relaxando cada parte o máximo possível, como se pesassem muito a ponto de que você não conseguisse mais mover tal região.

Após estar com seu corpo todo plenamente relaxado concentre-se em sua testa, imaginando que todo o seu ser se encontra neste ponto, ou seja, você é apenas um ponto… Desta maneira neste momento você retirou a atenção do seu corpo físico e neste momento é importante manter a concentração na vontade de se projetar, deixando ao mesmo tempo seu metabolismo o mais baixo possível (o que inclui uma respiração o mais lenta e tranquila possível).

Mantenha-se neste estado de puro relaxamento pelo tempo que desejar, mas não force para permanecer neste estado. Todo e qualquer exercício deverá lhe trazer bem-estar. Curta e desfrute deste momento!

Comigo, a partir deste estágio começo a sentir uma espécie de “cochilo consciente”, este cochilo vai e vem aumentando a frequência de maneira que com o passar do tempo ele surge e se mantém ao mesmo tempo em que eu continuo com minha lucidez… Então ocorre a projeção astral (ou inicialmente uma “projeção parcial” tal como uma perna ou um braço) podendo muitas das vezes ser acompanhada com o “estado vibracional” ou a “catalepsia projetiva”.

Após realizá-lo anote em seu diário de experimentos os efeitos causados de maneira a poder posteriormente medir seu progresso.