Uma assistência no umbral (dimensão densa)

umbralMirassol, 22 de maio de 2017. Na experiência projetiva de hoje obtive diversos níveis de lucidez durante o decorrer da projeção, porém certamente em alguns momentos recordo de estar até provavelmente 90% lúcido, reconhecendo naturalmente inclusive o fato de estar projetado naquele momento.

Quando deitei para dormir decidi não assistir nenhum filme no Netflix. Fiz por alguns momentos uma rápida sessão de EV (estado vibracional) e desejei estar lúcido extrafísicamente, porém sem nenhuma pretensão, principalmente pelo fato de já transcorrerem diversos meses dos quais não obtenho uma vivência projetiva.

Logo após um curto período de inconsciência retomei a lucidez estando em uma espécie de fazenda, rancho ou sítio. Era noite, provavelmente alta madrugada e eu realizava alguma atividade por lá que exigia alguma concentração e empenho. Com relação a meu estado emocional, sentia uma preocupação ou ansiedade, porém ainda sem lucidez necessária para identificar do que se tratava.

Em determinado momento de maior lucidez um grupo de amigos me apresentaram um sistema computacional que respondia a comandos vocálicos. Este dispositivo estava instalado em determinado setor desta fazenda para realizar algum procedimento no trabalho que lá era desempenhado. Pude escutar o aparelho responder a perguntas de modo muito mais avançado que nossos “assistentes” existentes em celulares tais como a “siri”. Foi-me informado que foi necessário a interação de diversos países (ou técnicos de diversos países) para desenvolver tal aparato eletrônico.

Em outro momento de lucidez me encontrava sozinho em um lado mais deserto da propriedade rural e como de costume olhei para o céu estrelado. Curiosamente pude observar uma quantidade imensa de estrelas, porém todas situadas a grandes distância, tinha a impressão que o céu não estava translúcido, impedindo que a luz das estrelas brilhassem com facilidade.

A pesar da fragmentação de minha lucidez retornava em diversos momentos e em outra ocasião pude perceber que eu podia volitar alguns metros do chão, porém com certa dificuldade. Verifiquei que atravessar regiões “solidas” do ambiente no qual me encontrava tais como porteiras, paredes, cercas era também possível para mim. Após voar e atravessar tais objetos não tinha dúvida que estava projetado neste momento e foquei minha atenção e calma na questão de evitar um retorno não esperado ao corpo.

Penso que me encontrava em alguma região densa da espiritualidade, pois encontrei algumas pessoas dentro de um grande caixote de madeira. Uma das pessoas era um senhor moreno de meia idade, que estava sem camisa e havia passado por alguma cirurgia cardíaca, pois o mesmo me mostrou uma grande cicatriz no peito, que na realidade achei estranha, pois era muito grande ao ponto de eu pensar nos procedimentos de autópsia, tendo dúvidas se esta pessoa era encarnada ou não. Pela situação estranha que me situava estendi minhas mãos e projetei energia no objetivo de proteção minha e ao mesmo tempo de auxílio. Realizei o mesmo também em uma criança com roupas muito simples, talvez sujas.

Aproveitando a ocasião perguntei a ela se ela se estava gostando das energias ao que respondeu positivamente. Foi à maneira que encontrei de saber se minha ação estava “funcionando”. Na sequência o senhor pediu para tomar um “passe”, ao que realizei por vários minutos. Não entendi o motivo destas pessoas estarem algo como presas neste grande caixote de madeira e achei a situação bem estranha, porém me mantive firme e não tive medo em momento algum.

Em outro momento estava em outro departamento da fazenda onde existia uma barragem com água. Imaginei que fosse para os animais beberem. Estava totalmente escuro o ambiente, na realidade até mesmo sombrio. Existia uma espécie de pequenas boias que ficavam em torno da barragem. Peguei uma e havia alguns escritos. Imaginei que seriam dados do fabricante e me esforcei para memoriza-los para de alguma forma trazer uma “prova” de minha experiência, porém foi em vão, quanto mais me esforçava em memorizar mais difícil era compreender os escritos.

Em um dos momentos finais de minha projeção sai pela frente desta propriedade rural e visualizei uma grande avenida onde vi que havia centenas de carros, porém o ambiente estava tão escuro que era possível observar apenas as luzes dos faróis. Havia carros nos dois sentidos, indo e vindo. A pesar das luzes dos carros era como se eu estivesse em um local de trevas total. Estranhamente a sensação de trevas é mais do que o escuro, sendo percebida por mim algo quase como “gelatinoso”. Havia sempre um clima sombrio a pesar de minha segurança íntima.

Acordei normalmente e de maneira automática a exatamente um minuto antes do despertador. Meu sentimento e impressões ao acordar foram de ter vivenciado uma experiência real, ou seja, aquela costumeira sensação de realidade, porém pelo teor da mesma não existia um contentamento interno a pesar de neste momento estar contente em ter provavelmente realizado uma tarefa de assistência extrafísica.