Uma projeção com uma amiga também projetada

cidade-submersa            Mirassol, 04 de dezembro de 2011, 7h00 da manhã.

Estava projetado voando pelas ruas de alguma cidade quando pude encontrar uma mulher que se encontrava sentada na frente de sua casa. Creio que estava também projetada e senti por meio da intuição que compartilhava com ela algum conhecimento e esclarecimento no campo espiritual. Chegando próximo a ela percebi que era uma mulher um pouco acima do peso e então ao conversar pude saber que esta pessoa passava por algum problema de saúde que inclusive considero algo sério, segundo a impressão que obtive em sentir uma energia muito negativa sendo emanada enquanto a ouvia atentamente.

Faço um parênteses agora para registrar o fato de como somos muito mais sensíveis fora do corpo, pois percebemos tudo de uma maneira muito ampla e instantânea.

Perguntei para ela se desejava fazer uma viagem astral comigo, pois de alguma forma eu provavelmente já a conhecia. Ela então olhou para mim dizendo “vamos viajar então”. Saímos andando e então eu segurei o braço dela para curiosamente mantermos alguma espécie de um vínculo mental de modo que praticamente nos “teleportamos” exatamente juntos, reação resta em que senti um deslocamento espiritual em alta velocidade.

Neste momento fiquei com medo, pois não sabia exatamente o que iria acontecer ou onde estávamos indo. Quanto ao ambiente observei que estávamos em uma velocidade tão grande que não dava para observar detalhes. Após alguns momentos praticamente nos “materializamos” em uma localidade totalmente diferente de onde estávamos, sendo uma espécie de cidade no formato circular e diferente de tudo que já vi.

Não tenho palavras para descrever o lugar, pois não há muita base de comparação ou que me facilite a memória, como não há muita referências para poder me apoiar a linguagem fica difícil para lembrar e muito mais ainda para descrever. Mas lembro que havia muitas construções em forma circular, em uma arquitetura desconhecida da terra. Aparentemente estávamos sozinhos no lugar, ambos parados e extasiados com a beleza ou estranheza do local, um ao lado do outro. Fui virando o rosto lentamente e olhei para ela dizendo ou exprimindo o pensamento similar a: “o que diabos é este lugar?”.

Voávamos por entre umas coisas coloridas, então apontei para um de cor roxa e perguntei a ela:

– Que cor é esta?

Sem entender o que eu estava fazendo ela respondeu: “roxa, por que?”.

Disse, revelando minha intenção: “estou fazendo um teste para verificar se a gente está na mesma realidade e também se realmente estou projetado com você”.

Entramos em um daqueles prédios que eram lugares não de andares, mas muito amplo. Falei para minha amiga que parecia algo como o interior de alguma espécie de igreja. O chão era de madeira, e o lugar lembrava algo rústico, provavelmente no estilo antigo.

Agora via muitas pessoas, alguma das quais andando em fila e após chegar do outro lado deste imenso “galpão” saímos em uma espécie de para-peito do prédio e olhando observamos algo incrível: havia do outro lado uma espécie de cidade submersa em água.

Após um lapso de memória e ainda andando por lá comentei para minha companheira de viagem astral que já estava para voltar para meu corpo e que não sabia se iria lembrar tudo o que estávamos vivenciando, pois minha memória é muito ruim… Momentos após dizer isto retornei ao corpo físico.

Ao acordar observei que houve alguma dilatação temporal, ou seja, o tempo que passei por lá foi muito maior do que o que passou no plano físico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *