Projeção astral em uma dimensão extrafísica sutil – nº12

foto-viagemastralDia 22 de janeiro de 2001. As vezes passamos por algumas experiência incrivelmente boas e indescritíveis. Hoje me projetei em um local quase que impossível de descrever, tamanha beleza! Não havia prédios ou casas nada, apenas uma exuberante natureza. Pude sentir uma paz interior como nunca em minha vida! Acho que nunca senti tanta paz e tranquilidade em minha atual existencia física! A sensação que tinha é que aquela paz vinha do próprio “ar” do “ambiente” e se propagava por todas as direções. Mas antes de estar lá me deitei para dormir em um horário mais tarde do que estou habituado, marcando o relógio 1h00 da madrugada, mas antes de me entregar ao sono reparador desejei fortemente projetar-me e realizei um rápido exercício de exteriorização de energias.

Não pude perceber o momento que sai do corpo, mas quando retomei a lucidez estava fora do corpo chegando a algum lugar extrafísico onde fui algo como recebido por uma mulher por volta de quarenta e poucos anos e com um largo sorriso no rosto, algo como que por felicidade por saber antecipadamente a experiência pela qual eu iria vivenciar em momentos depois. Tudo aquilo era novidade para mim e eu estava volitando e observando o que parecia uma grande fazenda, sem construções.

No local havia várias montanhas, algumas com vegetação verde e outras com uma vegetação que nunca vi, pois era de uma cor algo como puxado para o dourado e mais no topo de outra elevação observei muitas e frondosas árvores. Eu me encontrava muito lúcido nestes momentos e observei também que o céu estava sem nuvens e curiosamente tinha a sensação de não existir a atmosfera ou ar, pela impressão de que eu não precisava respirar, pelo menos não no corpo que me encontrava. Talvez isto se deva pelo fato de nosso corpo astral não precisar respirar, como estamos habituados no físico. Com toda certeza estava no plano espiritual avançado.

Estava flutuando próximo ao chão a uma altura de mais ou menos um metro e meio. Tudo que queria e fiz foi ficar no que parece ser o topo de uma montanha, observando o local e curtindo aquela sensação de paz interior indescritível. Tudo estava muito calmo e era tão bom estar ali, sentindo aquela paz que o ambiente proporcionava para mim, como que exalando paz para todos os lugares, que não queria de maneira alguma voltar ou sair daquele local. Foi neste momento que senti uma presença invisível do meu lado e então eu disse:

– Isto aqui parece um paraíso! Quero ficar aqui para sempre! Não me deixe voltar para meu corpo!

Neste momento esta pessoa ou consciência invisível passou a mão em minha cabeça, assim como um pai faz com o filho e apesar de não conseguir ver senti através do tato o atrito de uma mão nos meus cabelos, assim como sentimos no corpo físico. Apesar de espiritual era tudo muito palpável. Para minha surpresa obtive uma espécie de ampliação em meu sentido de visão e curiosamente podia ver tudo o que estava a minha volta ao mesmo tempo, ou dizendo melhor, via todos os lados ou ângulos ao mesmo tempo, via o céu, o chão, os lados etc. acredito que após o toque desta pessoa obtive uma espécie de expansão da consciência!

De certa forma o ambiente era tão “sutil” que a mim era impossível não flutuar e me encontrava como um balão e após alguns momentos senti algo como um pequeno puxão no corpo todo e instantes depois um encaixe perfeito em meu corpo físico e acordei em frações de segundo (estava de barriga para cima). Ainda para minha surpresa de alguma maneira eu trouxe toda aquela energia ou sensação de paz interior que sentia no plano extrafísico para cá de maneira que pelo resto do dia mantive uma alegria e paz interior que certamente foram proporcionadas por esta vivência.

Esta experiência foi para mim um divisor de águas, forte ao bastante ao ponto de fazer com que eu perdesse o medo da morte, pois tenho hoje certeza que a vida continua e que há muita coisa boa e seres queridos do lado de lá a nos esperar.

 

Comentário do autor:
Normalmente temos contato na literatura Espírita de relatos ou romances psicografados que contam vivências em planos sutis de existências dos quais a sensação de bem aventurança, de amor ou de felicidade são extraordinariamente plenas de modo que até mesmo imaginamos se tais lugares realmente existem e se sim nos fazem questionar se seriam estes locais os “paraísos” de maneira semelhante relatados nos escritos ditos sagrados da igreja católica.
Existe um “lema” na Projeciologia que diz para não acreditarmos em nada, mas sim trabalharmos para termos nossas próprias experiências pessoais e apenas após análise tirar nossas conclusões. Neste meu caso não tenho como dizer que tais locais não existem e espero visita-los novamente tanto projetado como após minha atual passagem por este plano.

2 comentários em “Projeção astral em uma dimensão extrafísica sutil – nº12”

  1. Adorei!! Estou a ver que foi uma coisa incrível, infelizmente eu ainda tenho muito medo de me projetar!! Tenho muita curiosidade em saber como é, mas ainda tenho muito medo! Bem, so dizendo que adorei mesmo ler!

    1. Olá, agradeço a visita e leitura do relato. Minha intenção em publicá-los (estarei publicando meus principais relatos) é justamente acabar com o medo inconsciente e irracional que temos com relação à viagem astral. Eu tive e as vezes ainda tenho este medo, mas por experiência própria cheguei a opinião de que este medo é infundado e irracional. Apenas com esclarecimento e prática iremos perdê-lo. Muita paz, Alexei.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *